#ainternet
queagente
quer_crianças e telas: como encontrar um equilíbrio?

 

imagem grande
imagem pequena

Escute este conteúdo:

Crianças e telas: uma conversa necessária e um tanto complexa, ainda mais no período que vivemos. Se até o ano passado a discussão girava em torno dos protocolos recomendados pelas associações de pediatria no mundo sobre esse assunto, a pandemia veio para chacoalhar tudo: entre a recomendação e a realidade dos lares que também viraram escola e lazer, tudo isso enquanto os pais e cuidadores – principalmente mulheres – tentam equilibrar outros inúmeros pratinhos, como podemos pensar em uma relação mais saudável das crianças com o digital?

Se você não deixaria uma criança sozinha na rua, também não deveria deixar na internet

Conversar sobre tempo de tela é falar de privilégio. “Distribuição de tempo de tela traduz uma inequidade social absurda. O uso fortalecedor da tecnologia é proporcional ao privilégio social. Quanto mais você sobre na escala social, mais chance de a criança ter repertório, de ter uma experiência esclarecedora na internet”, diz Mariana Ochs, coordenadora do @educamidia, programa do Instituto Palavra Aberta criado para capacitar e engajar a sociedade no processo de educação midiática dos jovens.
⠀⠀⠀⠀
Para pensar na relação dos pequenos com a internet, um bom questionamento a se fazer é: você deixaria uma criança sozinha na rua? “Precisamos ajudar a criança a construir autonomia. Para isso, você vai junto, orienta, constrói passo a passo, vai soltando aos poucos a criança no ambiente público. A internet também é um ambiente público.” E, claro, dá trabalho fazer isso, mas é nosso papel. “Não adianta proibir uso de telas, precisamos transformar em conversa. A gente não pode terceirizar a responsabilidade dessa bagunça que a gente está vivendo. Tudo bem que o design e a governança são importantes, mas precisamos formar leitores melhores para esse ambiente”, diz.
⠀⠀⠀⠀
Não vale, também, culpar pais, mães e cuidadores. “Agora que não temos muita escolha, entendo que tempo de tela está liberado.” De novo, não é sobre tempo, mas sobre bom senso, qualidade e finalidade da experiência. “É olhar para a tecnologia como possibilidade de colaboração. Tem idades apropriadas pra poder falar de certas coisas. Se você não ensina, se não media a entrada das crianças no ambiente digital, cria um consumidor passivo e perde uma oportunidade de educar para um uso consciente e educador da tecnologia.” Estamos prontos para incluir a conversa sobre internet no dia a dia dos pequenos?

O que as crianças acham mais legal na internet?

Ouvimos crianças e pré-adolescentes sobre o que eles acham da internet: o que é mais legal? O que é mais cato? Reunimos as respostas neste vídeo no nosso post do insta!

Você sabe o que o seu filo está acessando?

Navegar junto é preciso. Saber o que seu filho acessa é fundamental para que o diálogo se estabeleça – e também para que a orientação seja feita de forma mais próxima, sem tantos dogmas, e sim com conversa.
⠀⠀⠀⠀
“Crianças de 9/10 anos que consomem YouTube freneticamente não sabem que aquilo é monetizado. Não distinguem o que é propaganda do o que é conteúdo, não entendem quanto vale seu like. É muito importante você saber o que o seu filho está vendo. Ali existe um universo de coisas a serem discutidas”, diz Mariana Ochs, do @educamidia.
⠀⠀⠀⠀
Ela acrescenta que, mesmo com os mais velhos, vale sentar junto e assistir a uns vídeos. “Sei que é uma coisa chata de se fazer, mas acompanhando, dá para conversar sobre o que é fortalecedor, sobre o que promove preconceito. Quanto mais porcaria seu filho estiver vendo, mais os algoritmos vão entregar porcaria. Temos um papel importante de tentar influenciar recomendações.”
⠀⠀⠀⠀
Citando a Common Sense, organização que estimula um uso seguro da tecnologia pelas crianças, ela recomenda ver o histórico de navegação. “Um dos maiores problemas com pré-adolescentes é eles caírem num buraco de que uma hora estão vendo um vídeo de música, depois estão vendo teoria da conspiração. Crie uma conta para cada pessoa da família. Influencie o histórico do seu filho, puxe coisas da sua infância. É um hack, uma coisa de guerrilha. Quanto mais coisa bacana você inserir, mais chance de influenciar. É muito importante a criança ter ferramentas para decidir no que vai acreditar, no que não vai acreditar. Que discursos ela vai considerar adequados ou desrespeitosos?”
⠀⠀⠀⠀
Toda a discussão, diz Mariana, é importante para que as crianças e os adolescentes possam aprender a eles mesmos fazerem esses julgamentos. “A gente sabe que na vida precisamos educar as crianças e dizer que não pode tratar mal os colegas, que isso é desrespeitoso. A gente não pode achar que vai se eximir dessa discussão no digital.”

Você sabe quem são os ídolos do seu filho?

“Vamos parar de fingir que as crianças não usam telas? Que só pode depois dos dois anos? Na vida real isso já acontecia, mas só na pandemia que virou uma conversa. E isso deu uma acalmada no coração de muitos pais e mães.” Quem diz é Deh Bastos, comunicadora, mãe do José, de dois anos, e criadora do perfil @criandocriancaspretas. “É open bar de tela. É o que está dando para fazer, para administrar”, ri.
⠀⠀⠀⠀
Admitir o exagero pode funcionar como um primeiro passo para fazer um uso mais consciente. “É mais fácil agir se você trabalha ao lado do seu filho e consegue ver o que ele está acessando.” No seu caso, o seu filho ainda é muito pequeno e troca o celular por qualquer brincadeira. Na experiência com a página, Deh recebe inúmeros relatos, inclusive sobre as dificuldades de ver a casa virar escola.
⠀⠀⠀⠀
“Me incomoda quando a gente está na internet mas não se dá conta de que o filho está vendo vídeos de crianças abrindo brinquedos, de coisas sendo destruídas. E eles fascinados. Tem um excesso de publicidade, de personagem. Você está mandando um textão e não se dá conta que a criança está ali do lado consumindo o que você condena.”

1910_crianças_2 (1)

Ela aproveita para deixar uma provocação: você sabe quem são os ídolos do seu filho? “A gente está muito preso em um conflito com as gerações mais velhas, mas ainda não se deu conta de que a internet está trazendo um conflito de geração com os mais novos. Quem se considera ‘descontruidão’ está sabendo do que os ídolos dos nossos filhos falam?” Sem contar que nenhum desses ídolos é uma criança preta, acrescenta. “No Tik Tok existem crianças negras que fazem sucesso se autodepreciando. Tem muito adolescente se colocando como alvo de piada. Quais os impactos disso na autoestima deles?”
⠀⠀⠀⠀
É preciso se aproximar da relação dos pequenos com a internet. “Precisamos entender melhor quais são os signos que interessam a eles. É música no Tik Tok? Então vamos lá. Ficar perto, para aí sim orientar na construção de um uso melhor.”

Compartilhar

4 Comments

  1. porno

    If you want to use the photo it would also be good to check with the artist beforehand in case it is subject to copyright. Best wishes. Aaren Reggis Sela

  2. porno

    I consider something truly interesting about your web blog so I bookmarked . Emmalyn Alberik Noam

  3. porno

    Terrific article! That is the type of information that are supposed to be shared around the internet. Hyacintha Emmit Lira

  4. izle

    Piece of writing writing is also a excitement, if you be familiar with after that you can write otherwise it is complicated to write.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *